Thursday, October 15, 2009

Hawthorn Jelly / Geleia de Pilriteiro

Há já vários anos que, cada Outono, olho para as bagas do pilriteiro e penso: "Tenho que experimentar fazer um doce com isto". Foi desta. Ao fim do dia, atirei-me ao pilriteiro que cresce em frente à nossa casa, e toca de apanhar bagas. A verdade é que estive prestes a desistir, porque estava-me a custar estragar um arbusto tão bonito. Mas depressa percebi que mesmo que apanhasse muitas bagas (e foi quase 1 kg, com a ajuda do resto da família, que depois se juntou a mim), o pilriteiro tinha tantas, que praticamente não se notava a diferença.
Depois de bem lavadas, fervi-as durante uma hora, juntamente com a casca e o caroço de uma maçã, por não ter a certeza se as bagas têm pectina suficiente para gelificar bem, esmagando-as de vez em quando com um daqueles utensílios que servem para fazer puré. Depois, filtrei com um pano fino de algodão (deixei a filtrar de um dia para o outro). No dia seguinte, coloquei o líquido numa panela com açúcar (proporção1:1) e deixei ferver até atingir o ponto de estrada - deita-se um pouco num prato, passa-se o dedo pelo meio e, se a "estrada" assim aberta na geleia não voltar a fechar, é porque está pronto (não esquecer lamber o dedo ao fim de cada teste). Ficou... delicioso!
It's been several years that every autumn, I look at the Hawthorn berries and think that I must do some kind of jam with them. Well, this was it. Two days ago, I took a big bowl and filled it with hawthorn berries. I almost gave up, because I was feeling a bit guilty from spoiling such a beautiful plant... But I soon found out that even if I picked up a lot (and it was near 1 kg, with the help of the family who soon joined me), the hawthorn was so full of berries that one hardly noticed the difference.
Back home, I washed the berries, put them into a pan and covered with water. I added the peel and seeds of an apple, because I was not sure the hawthorn berries had pectin enough to produce a firm jelly and I cooked for about an hour, mashing them now and then with a potato masher. After this, I filtered the whole thing using a cotton cloth and let it strain over night. The next day, I poured the liquid into a pan, added sugar (1:1) and heated gently until the jelly had reached setting point - you can tell it when you pour a bit into a dish and you run your fingertip through it and the line you open by doing this does not close again (be sure to lick your finger after each test to see how it tastes!).


And the veredict is... delicious!

7 comments:

  1. Que vontade de comer essa geleia :)

    Gostei da parte de lamber o dedo depois de fazer a estrada :)))

    ReplyDelete
  2. Afinal o ditado "Pilriteiro que dás pilritos por que não dás coisa boa?", é mentiroso.

    Fiquei a saber que os pilritos fazem um excelente doce.

    ReplyDelete
  3. olá ana. desconhecia esses seus dotes de "doceira"...!
    bj
    ps. de toda a descrição, o "lamber o dedo"...é simplesmente fascinante.
    ps2. só conhecia o pilriteiro como sendo um excelente calmante (em chás)não lhe sabia estas propriedades de doçaria e afins.

    ReplyDelete
  4. Huuuummmm... fica tipo geleia, não é? Adoro geleias!

    Obrigada pela receita ;)

    ReplyDelete
  5. Ana, essa geleia deixou-me água na boca. Este ano cá por casa já fizemos de amora e de camarinha mas, infelizmente, não filtrámos.
    beijocas

    ReplyDelete
  6. Adorei o seu blog!
    Eu também andava à algum tempo intrigada sobre as bagas do pilriteiro...agora já sei o que fazer com elas! Obrigada, vou experimentar!

    Será que mantém as propriedades medicinais dessa forma?

    ReplyDelete
  7. Obrigada, Fiona. Realmente não sei se a geleia manterá as propriedades do pilriteiro, mas comer as bagas cruas não é, decididamente, uma opção...

    ReplyDelete