Saturday, April 26, 2014

Um jardim selvagem / A wild garden

Descobri, finalmente, o blog que responde aquilo que andava há anos à procura. Chama-se Jardim Autóctone e descreve o dia-a-dia da criação e manutenção de um jardim feito à base de plantas nativas do nosso país. Em Portugal ocorrem milhares de plantas silvestres lindíssimas, que não ficam nada atrás - e muitas vezes ficam até muito à frente - das plantas exóticas que normalmente se usam em jardinagem. Sempre me intrigou porque razão não são mais usadas. Para além de serem bonitas e de fornecerem alimento e abrigo a muitas espécies de animais, têm a vantagem adicional de se terem adaptado, durante milhares de anos, às nossas condições de solo e clima, pelo que são naturalmente resistentes e necessitam de poucos cuidados. O ideal para uma jardineira preguiçosa com pouco tempo como eu...
Rosmarinus officinalis

O meu jardim não é um jardim autóctone, mas gosto de pensar que para lá caminha. Entre outras, tem lilases e sardinheiras, crisântemos, narcisos e crocus. Mas também tem uma madressilva, recolhida no monte há dois anos e transplantada com sucesso. Está à espera de mais companheiras, mas este ano falhei a época e acabei por não recolher mais... Tem estevas e giestas,rosmaninhos (aqui conhecidos como arçã), alecrins, estevões e outras duas espécies de cistaceas ainda por identificar. Tem as lindíssimas, embora venenosas, eufórbias (E. oxyphylla). As mais recentes aquisições, todas elas recolhidas nas redondezas, foram as pascoelas (nome pelo qual são conhecidas nesta zona as prímulas), as violetas e dois medronheiros - já há uns anos havia plantado um, mas sem sucesso, vamos ver se desta vez tenho mais sorte.
Primula acaulis
 
Uma coisa é certa, a utilização de plantas autóctones - desde que compradas em locais de confiança ou recolhidas sem prejuízo para as populações silvestres, tem inúmeras vantagens. As plantas compradas nos hortos convencionais, pelo contrário, para além de serem frequentemente exóticas, exigirem mais cuidados e ficarem mais caras, podem ter outros problemas. Um estudo encomendado pela GreenPeace mostrou que uma grande percentagem das plantas ornamentais de uma amostra recolhida em centros de jardinagem e supermercados europeus não respeita a legislação que regula o uso de pesticidas nocivos, entre outras espécies, para as abelhas. Podem ler o artigo (em inglês) aqui e fazer o download do estudo aqui. Portugal não se conta entre os países onde foram recolhidas amostras, mas Espanha, França e Holanda, sim, entre muitos outros de onde importamos plantas ornamentais. Portanto, amigos jardineiros, na hora de comprar as vossas plantas, sejam cuidadosos. Em Portugal há hortos e empresas que cumprem todas as regras e ainda vão para além delas. Um exemplo - que estou á vontade para publicitar, pois não ganho nada com isso - é o Cantinho das Aromáticas, onde são vendidas plantas envasadas produzidas em regime de agricultura biológica, muitas delas pertencentes à nossa flora.

* * *
Euchloe crameri on gum rockrose fruit

I have finally found the blog I've been looking for since a long time ago. It is called Jardim Autóctone and describes the creation and maintenance of a garden made up of Portuguese native plants. There are thousands of beautiful native plants in our country, some of them so much lovelier than the exotic ones usually grown in traditional gardens. I've wondered many times why they are not used more often. In addition to being pretty and serving as food and shelter for many animal species, native plants have evolved for thousands of years in this area, so they are perfectly adapted to our soil and climate conditions, meaning they are naturally resistant and they require little care - the perfect thing for a lazy busy gardener like me...
Euphorbia oxyphylla

My garden is not an indigenous garden (yet), but I like to think it is developing in that direction. Among others, my garden hosts lilacs and geraniums, chrysanthemums, daffodils and crocus. But it also has a honeysuckle, collected two years ago in the wild and now waiting for company (this year I failed to go into the field on time and get a few more). I also have gum rockroses and gorse, rosemary, poplar leaved rockroses, also known as major rockroses and two other cistus species yet to be identified. My most recent acquisitions, all of them collected nearby, are primulas, violets and two strawberry trees - I had already planted one a few years ago but it did not survive, let's see if this time I have more luck.

One thing I know for sure, the use of native plants - as long as they are purchased from reliable stores or collected without harming wild populations - has multiple  advantages. Plants purchased in traditional orchards, on the contrary, besides being often exotic, expensive and demanding more attention, may have other problems as well. A study recently undertaken by GreenPeace showed that the majority of a sample of ornamental plants sold in European garden centres and supermarkets do not comply with the legislation that regulates the use of bee-killing pesticides. You can read the article here and download the study here. Portugal is not among the countries where samples were collected, but Spain, France and Holland, among many others from which we import ornamental plants were included. Therefore, fellow gardeners, when the time comes to buy your plants, be careful. In Portugal there are nurseries and companies that meet all the rules and even go beyond them. An example - I am feel free to advertise as I am not getting an profit here - is the Cantinho das Aromáticas, that sells organically grown potted plants, many of them belonging to our native flora.

3 comments:

  1. Obrigado pela referência.
    Também eu passei a ser seguidor deste blogue!
    Cumprimentos.

    ReplyDelete
  2. Wow, it looks like a true paradise. I did not know that your temperatures in Portugal reach 108! We were at 105 last week and things looked like ashes, even the herbs and natives.

    I love checking in with you my friend across the sea.

    All joys,
    Sharon

    ReplyDelete